<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

posts do antigamente #49

carta tardia
Esperava-te na estação, como havíamos combinado. As minhas mãos suavam leves tremores de emoção e seguravam um malmequer com as pétalas bem contadas.

Entrei no comboio já ele andava, como se tentasse fugir às nossas juras falsas de amor. Com a porta da última carruagem aberta, segurava-me para ver se tu chegavas. Mas tu não chegaste e eu desisti. Sentei-me no teu lugar, junto à janela, e ocupei o banco do lado, o meu, com os jornais, cadernos e restante papelada.

Comecei a viagem com vontade de encher cada espaço em branco de cada bocado de papel que tinha - até do bilhete -, com mensagens para ti. Comecei a escrever-te uma carta de mágoas que demorou dez páginas, mas a lágrima que molhou a palavra 'saudade' - que escrevi na última linha da última página -, obrigou-me a rasgá-la.

Depois, umas estações mais à frente, entrou a Julie, que se sentou no banco em frente ao meu, de frente para mim. Sabes como é que eu sou: demorei quase duas horas para decidir o que lhe havia de dizer, e quando o fiz, disse asneira. O que vale é que ela se riu e disse que a chuva não cai do céu para morrer na cara de quem não a merece. Saímos na estação seguinte e beijámo-nos à chuva.

Passou quase um mês e eu nem me apercebi e até me esqueci que tinha coisas para ti. Espero que esta carta te encontre bem e feliz. Junto envio um recorte de dicionário que pensei que talvez te fosse útil. Se nos faltou 'espontaneidade', agradeço-te o teres reproduzido apenas mais um cliché na nossa relação. Hoje sou feliz por me teres feito infeliz. E como disse o revisor: 'Pois é, é a vida'.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | eles dizem #3 » //-->





Lembrava-me bem deste! Mesmo bem, quase de cor! Gosto tanto. *

Posted by Blogger Joanie Bats #  

~Oo°~

Post a comment :