<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












domingo, 15 de fevereiro de 2009

posts do antigamente #48

.48
Estendeu-lhe um papel amarelo e corou. Disse-lhe que era para ela e que tinha escrito para ela e que gostava dela. E disse-o tudo muito rápido, para não gaguejar e engoliu palavras e voltou a corar, desta vez ainda mais do que na primeira vez. E então, ela olhou para o papel e como não percebia o que dizia, o olhar dela começou a piscar intermitentemente entre ele o papel. E ele, corado e envergonhado, não conseguia desmistificar a mensagem, aparentemente, pouco inteligível. E ela continuava a dividir o olhar entre ele e a folha amarela, à procura de respostas. E aos poucos, mas muito devagarinho - tão devagarinho, como uma folha a cair num dia de Outono pouco vento -, as letras desordenadas - maiúsculas e minúsculas -, desenhadas ou recortadas de revistas, começavam a ordenar-se na testa dele. E ela nada disse, sorriu apenas como nunca tinha sorrido e beijou-o. Aquela era, afinal, a mais bonita de todas as declarações de amor. Porque ele gostava muito dela e ela encontrou, algures no meio das letras perdidas, as razões que queria ter para se apaixonar. E foi assim que começou a estória de amor deles. Pelo que me disseram ainda estão juntos e vivem felizes. E nunca pararam para pensar porque é que gostam um do outro. E porque é que ela racionalmente encontrou a irracionalidade de que precisava para se apaixonar por ele, que irracionalmente insistia que a escolhera racionalmente, porque conseguia contar os defeitos dela com os dedos das mãos e porque ela era a mulher da vida dele. E porque dois faz sempre muito mais sentido que um. E porque todos os dias segredam um ao outro os mesmos versos de um poema que escreveram poucos dias depois daquele dia: porque estar apaixonado nada me diz/só sei que acordo e penso em ti/e se tudo não passa de um sonho,/não me acordes, e diz a todos que já morri.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | posts do antigamente #47 » //-->





Post a comment :