<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












sábado, 7 de fevereiro de 2009

posts do antigamente #40

a vida é um exercício de exorcismo. dia sim, dia não.
Um fio de sangue avança lentamente até à porta. O cheiro a morte está ainda muito fresco e o vermelho, que mancha as paredes com formas de mãos arrastadas em desespero, é tão vivo como se o coração continuasse a bater.

O cenário: vinte e cinco metros quadrados de um escritório mal idealizado. Duas colunas de betão e uma parede completamente envidraçada. Num dos cantos, de mãos atrás das costas, alguém olha a rua atrás da grande janela. A espaços cada vez mais longos, pequenas pingas vermelhas caem gota-a-gota dos seus dedos. Não se mexe. Encostado a uma das colunas, à direita de quem entra, um rosto ensaguentado e duas mãos algemadas. A morte, abafada pela elevada pressão do contíguo espaço, tenta escapar por entre a nesga de espaço que ficou entre mim e a porta.

E como se explodisse em mim a vontade de morrer por ti, corria contra os vidros e voava contra o chão. Esperando que desta vez me ouvisses e me sentisses morrer ao teu lado, entregando-te o meu último suspiro.

E, para te perguntar se tinhas visto, subi a correr todas as escadas em espiral até ao escritório e abri a porta. Mas já lá não estavas. Tinhas passado por mim no corredor e eu nem notei. Só ao olhar o cigarro mal apagado no chão, me lembrei do cheiro a tabaco aromático da tua mão e de me teres afagado o rosto em jeito de despedida.

Enquanto te chorava à janela, no meio dos vidros partidos, segui-te com o olhar. E Enquanto desaparecias, no meio da madrugada, o meu coração batia nervosamente, apesar da ternura das tuas mãos.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | friday night live #5 » //-->





oi ;)

cada vez mais m impressionas... escrevx mxm bem!!! (partindo do pressuposto de k ñ é plagio... )

olha eu ñ costumo deixar comentarios, mas esta foi a unica solução k encontrei de te contactar.. ja k tu ñ m respondx ao mail k t enviei...

fazemx axim... deixo.t o meu nm d telemovel e les o mail k t enviei... s gostarx da proposta telefona-m ;) 914487041

és o maior!!! bju****

fica bem

Ana Quintas

Posted by Anonymous Anônimo #  

~Oo°~

Post a comment :