<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

o vídeo do casamento dela

quando vi o cartaz de o "casamento de rachel", pensei imediatamente que este seria um filme a evitar. em boa hora, porém, li a excelente reportagem publicada num ipsilon de há um par de semanas e decidi dar-lhe uma oportunidade.

"o casamento de rachel" é um filme ternurento. as lágrimas caem ao som da mesma música que os sorrisos se rasgam; parece uma perfeita encenação da vida com a câmara em punho e as luzes teatrais que ora iluminam ora ensombram cada personagem.

a história vale por si e encontra-nos quando já vai muito para além do meio. uma família destroçada a fazer lembrar o love will tear us apart, com uma mãe egoísta e ausente, um pai que tenta esquecer e duas irmãs que são a antítese uma da outra; uma encarnação da perfeição prestes a ser mãe e a casar, a outra encarnação da destruição que sai por uns dias da clínica de reabilitação para participar no casamento da irmã.

é um filme sobre a família e sobre o que ela representa. ainda que destroçada, uma família é sempre uma família. e quando uma família se reúne, apesar de os cacos ficarem sempre mal colados, sobressai sempre a tranquilidade e a esperança de que tudo vai ficar bem, ainda que apenas num tempo fotográfico.

não é o melhor filme do ano, mas é um dos mais bem escritos, mais bem filmados e com melhor banda sonora. não é um grande filme só porque é um retrato do quotidiano e o quotidiano nunca é épico, mesmo que seja o quotidiano de uma família de fusão num fim-de-semana com banda sonora.

não é o melhor filme do ano mas ainda bem, sabe muito melhor assim.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | posts do antigamente #52 » //-->





Post a comment :