<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

posts do antigamente #24

num caderno preto, uma mancha de escuridão
A alergia que tenho a magia inconsequente não é mais que algo que me esqueci de te contar sobre uma coisa que não gosto de recordar. Sim, egoísmo de tamanho latifundiário, vê lá bem. Acaba talvez entre hoje e amanhã e levanta-se quando o sol já não se vê. As sombras que o cobrem são tão falsas como a luz que o ilumina e isso é uma coisa que não vamos poder resolver, nem esconder, nem nada que se ache para lá do mar; morta que está a esperança de uma colher de felicidade misturada com o leite. Sim, acabou o que havia no frasco e esqueci-me de comprar mais. Há quem acredite que a felicidade não se compra e por isso rouba no supermercados, mas tenho medo que as máquinas apitem quando eu passar e me tirem a felicidade e me roubem a oportunidade de comprar a felicidade que outros roubam sem punição. Depois há pessoas que vêm falar de justiça e paz para a televisão enquanto comem as letras do teleponto que todos pagamos; nós os que compramos a felicidade dos outros que preferem roubar e ficar com o dinheiro para comprar futilidades como dias de pipocas sem sal.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | posts do antigamente #23 » //-->





Post a comment :