<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












terça-feira, 20 de janeiro de 2009

posts do antigamente #14

Estória da Carochinha ou Outro Conto Surreal
Conheci a princesa num baile. No último baile do Verão, lá para os lados de além montanhas. A princesa era a mais bela de todo o baile. Pretendentes não lhe faltavam. E eu, muito timidamente, tentava mostrar-lhe que existia. Era de um reino muito, muito distante, disse-me a baronessa Still. Tinha-me apanhado em flagrante, observando os passos delicados da princesa e com um sorriso maroto disse: "Ela é de muito, muito longe, meu filho. Não é para ti, um simples princípe de sapatos rotos. Há muito está prometida aquele copinho de leite, filho do rei Marcelino. Coitada! Mas não é para ti, meu filho, não é para ti". Sorri, como se não tivesse mais nada para dizer. Atravessei o salão para ir comer um pastel de bacalhau. Ao avistar os guardanapos lembrei-me de uma maneira de lhe dizer que a gostava, sem ter de a encarar. Escrevi-lhe um bilhetinho. Romântico mas não lamechas, pelo menos foi o que tentei fazer... Passei disfarçadamente por ela e, sem a olhar, fechei-lhe o guardanapo entre os dedos. Sentei-me no canto oposto ao dela. Olhava-a ansioso - ao lado dela estava o copinho de leite. Comia uma coxinha de frango. Deduzi que no reino dele não existem boas maneiras - no fim, ela olhou para mim e sorriu. Corou também, mas isso só me deu mais ânimo. Caminhei por um dos lados do salão, para não dar nas vistas. Peguei-lhe na mão e convidei-a para fugir. Ela queixou-se do nevoeiro. Eu disse-lhe que o meu cavalo tinha faróis de nevoeiro. Não resultou. Fugiu. Voltou para o salão. Não a segui. Talvez tenha ido para junto do quequezito meia de leite, não sei. Eu? Fui embora, cobardemente, mas fui. Estou à espera que ela me envie o seu mensageiro, quiçá, para dizer que me ama. Esperemos então.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | posts do antigamente #13 » //-->





olha que desculpa...a do nevoeiro.
mas tu principe não me pareceste cobarde. Que poderias fazer raptá-la? Resgatá-la já tu tenstaste... talvez a princesa só esteja à espera que o copinho de leitese engasgue...

Posted by Blogger Ana João #  

~Oo°~

Post a comment :