<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

posts do antigamente #13

a menina que devora eça no banco frio da estação
Senta-se, murmurando um olá quase imperceptível. E, como se não esperasse qualquer resposta, abre um livro de capa dura azul e começa folhear as folhas branquíssimas de idade.

Foi assim que a conheceu, apesar de nunca a ter conhecido. Ela sentou-se e enlevou-se, como quem foge do frio sem dizer que sim ou que esperar Godot afinal cansa.

Sim, o silêncio; ou não fosse quase de madrugada de um qualquer dia em que ninguém canta ou grita. Só o barulho dos comboios que seguem indiferentes; o barulho das páginas sorvidas de um só fôlego e o do bater do coração do menino que a olha, com as mãos atadas ao coração.

E ninguém sabe ou sonha, e ninguém espera nem comenta; porque ninguém ouviu jamais tamanho sussuro de magia e euforia - sempre contida -, como quem guarda um segredo como se guardasse o coração.

Se conseguisse, elogiar-lhe-ia os lábios cor de cereja e dir-lhe-ia como ficam bonitos enquanto lêem Eça para dentro. Depois, concerteza, coraria muito e fugiria, mas o coração bateria de forma muito diferente, assim como se esperasse que ela corresse atrás dele e lhe citasse Eça ao ouvido.

E não seria por falta de tempo, oportunidades ou suspiros do vento, que lhe oferecia - a cada brisa -, um leve traço de perfume da menina que lê com olhos redondos e castanhos. O comboio que esperavam não chegaria nunca, mas o bilhete rasgado que sobrou no chão, mesmo ao lado do lugar da menina que ainda hoje lê Eça, é uma palavra muda de despedida, mas é também uma carta de amor, daquelas que não caem ao chão; daquelas que levitam para sempre a alguns milímetros, como os pés do menino apaixonado, enquanto se despedia sem ela perceber.

Ela nunca a leu e o vento acabou por a fazer voar. Mas foi apenas mais um sonho desfeito, e outro menino que ficou sem par.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | eles dizem #1 » //-->





Post a comment :