<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quarta-feira, 7 de julho de 2010

o tour e o pavé

o ciclismo tem perdido o interesse nos últimos anos, seja pelos sucessivos escândalos de doping, seja pelo aborrecimento em que o tour se tornou nos últimos anos; os dois factores cruzam-se e entrecruzam-se todos os anos e o tour, que continua a ser um dos maiores espectáculos desportivos mundiais, tem visto a sua popularidade cair em flecha. o do ano passado, então, chegou a aborrecer de morte e o que o salvou nem foi o desporto, mas as fofoquices e intrigas à volta da liderança partilhada da astana entre armstrong e contador.

porque o traçado do ano passado foi bastante criticado por prever poucos pontos de dificuldade extrema - e, consequentemente, de discussão pela geral -, a organização decidiu incluir na primeira semana, que é tradicionalmente reservada a etapas planas e de discussão ao sprint, alguns troços de pavé, característicos das clássicas de primavera. o pavé é similar ao nosso paralelo, mas existem diferentes tipos de pavé e estão, na maior parte das vezes, em muito mau estado. já se sabe, portanto, que com bicicletas de estrada a probabilidade de joelhos, cotovelos, e até caras, em sangue aumenta exponencialmente.

resultado: quedas e mais quedas; a maior parte do pelotão corre já, pelo menos um bocadinho, esmurrado; diferenças de tempo consideráveis entre os candidatos à vitória na geral; desistência de vários corredores, entre os quais um dos favoritos (embora menos favorito que o irmão) frank shleck. tudo isto em três dias de prova, apenas, tendo o primeiro sido um prólogo curto.

por tudo isso, era já expectável que aparecessem críticas de todo o lado: "porque este traçado é uma vergonha", "porque com as quedas os ciclistas já não vão correr como correriam", "porque põe em causa a integridade física dos ciclistas", "porque o pavé é mais btt que ciclismo de estrada"; admito que inventei a maior parte destas citações, mas o importante está no aparecimento de críticas, provavelmente a maior parte delas produzidas pelos que também no ano passado criticavam um traçado completamente diferente do deste ano.

não há traçados ideais e nem são eles os culpados pelo aborrecimento que o ciclismo no geral e o tour em particular mergulharam. são, isso sim, o doping e o que se faz para ludibriar os testes, as equipas multimilionárias e as lutas de egos e a prepotência e o tempo que a uci perde com questões menores.

lamentem-se as quedas e as desistências, sim, mas este ano o tour começa com espectáculo e disputa pela geral desde os primeiros dias. e se não surgirem casos de doping relevantes na edição deste ano, talvez se fale em melhor tour de sempre no final. se não for esse o caso, é só mais um prego no caixão da modalidade.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | "a internet deixa-nos mais inteligentes" » //-->





Post a comment :