<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












segunda-feira, 19 de julho de 2010

e se as edições online dos jornais fossem pagas?

O Público noticia hoje um relatório Experian Hitwise que afirma uma queda de 58% nas visitas ao site do The Times desde que este começou a cobrar o acesso aos conteúdos. E isto em apenas um mês.

A estratégia despertou interesse de orgãos de comunicação de todo o mundo, mas o resultado é contrário às expectativas dos que esperavam que esta seria uma boa forma de financiamento dos jornais para compensar as quedas nas receitas provenientes da publicidade e das vendas das edições impressas.

Entretanto, a web semântica, e apesar de o conceito ter surgido já em 2001, parece tardar a impôr-se à web 2.0. Isto porque, apesar de já terem sido várias vezes notícia estudos que apontam como mais rentável a publicidade direccionada e respeitadora do utilizador do que a publicidade intrusiva e de pop-up, sites como o do próprio Público, continuam a apostar na segunda; na página desta notícia, por exemplo um anúncio a um banco expande-se e cobre o texto.

Finalmente, e ao contrário do que parece ser ideia generalizada, os utilizadores da internet não pretendem que tudo seja gratuito, antes que o que pagam tenha qualidade superior ao que se encontra de forma gratuita e isso não acontece frequentemente.

Aliás, a tendência é a contrária: os jornais estão cada vez mais iguais, mais fracos e menos interessantes e a compra dos jornais em edição papel vai sendo cada vez mais militante e menos por convicção.

Caminho errado, alguém?


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | da injustiça » //-->





Post a comment :