<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












domingo, 18 de abril de 2010

Pela Salvaguarda do Complexo das Sete Fontes

Visitei hoje de manhã o complexo das sete fontes, aproveitando a iniciativa do grupo "Salvem As Sete Fontes". Nunca o tinha visitado e isso, admito, deixa-me agora bastante envergonhado. Como é possível, em vinte e cinco anos de bracarense, nunca ter visitado aquele espaço?

Talvez seja problema geracional, mas parece instintivo lembrar o Bom Jesus como exemplo dos espaços verdes de Braga. Sou da geração que assistiu à degradação dos espaços públicos em benefício de um crescimento pouco sustentado. Lembro-me do Parque da Ponte, do leito e margens do Rio Este e do Vale de Lamaçães, por exemplo. O verde foi fugindo pela encosta do Bom Jesus acima, mas até aí tem sido engolido pelo cimento, especialmente por culpa do crescimento da "Favela dos Ricos".

Nos últimos tempos, com a construção do Hospital Privado de Braga, tem-se falado na possibilidade de construir um ou mais viadutos de acesso ao hospital atravessando o Complexo das Sete Fontes. Esta opção urbanística não surpreenderá ninguém que esteja minimamente familiarizado com a história do urbanismo bracarense do último século, mas se o passado serve para alguma coisa é para não voltarmos a cometer os mesmos erros vezes sem conta.

O Complexo das Sete Fontes é um Parque da Cidade em potência, com a vantagem de já existir e unir de forma perfeita monumentalidade e natureza a um passo do centro da cidade. Para além disto, há ainda aqui, e segundo o Sr. Joaquim (apaixonado guia), a melhor água da cidade. Por estas razões, e apesar de parte do espaço ter sido já amputado pelo crescimento urbanístico, o complexo, classificado como Monumento Nacional, merece ser requalificado e posto, de novo, ao serviço da cidade.

Anteontem li David Byrne no ípsilon: "não basta criar apartamentos e estradas (...) a cultura é fundamental. É necessário que as cidades sejam locais onde apetece viver" e "os carros são maravilhosos, mas parece-me que dominam as cidades há demasiado tempo". E ele tem razão, por isso não podemos perder esta oportunidade.

O grupo "Salvem As Sete Fontes", que podem adicionar como amigo no facebook, lançou uma petição "Pela Salvaguarda do Complexo das Sete Fontes" e já ultrapassou as quatro mil assinaturas necessárias. Mas como assinaturas nunca são demais, se ainda não assinaram podem assinar a petição na internet ou em papel na Junta de Freguesia de São Víctor. Assinar e divulgar, claro. Juntos escreveremos, finalmente, uma página bonita na história do urbanismo bracarense.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | scbraga-lsc » //-->





Post a comment :