<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quinta-feira, 30 de abril de 2009

imprensa va-d-rosa

victor hugo cardinali, apesar da fama - e esperemos do proveito, porque não andamos cá para desejar mal a ninguém -, não se inibe de levar ele próprio o lixo à rua, vestindo um informal fato-de-treino verde.


escrito por joão martinho | | comentar




segunda-feira, 20 de abril de 2009

alçapão



escrito por joão martinho | | comentar




quinta-feira, 9 de abril de 2009

boas notícias



maría casado, tve


escrito por joão martinho | | comentar




quarta-feira, 8 de abril de 2009

eles dizem #9

redacção

uma senhora pediu-me
um poema de amor.

não de amor por ela,
mas "de amor, de amor".

à parte aquelas
trivialidades
"minha rosa, lua
do céu interior"
que podia eu dizer
para ela, a não destinatária,
que não fosse por ela?

sem objecto, o poema
é uma redacção
dos 100 modelos
de cartas de amor.

alexandre o'neill


escrito por joão martinho | | comentar




no dia em que pisaste as flores que queria oferecer-te

os passos num verde infinito
pontilhado, aqui e ali,
de amarelo, rosa, azul e vermelho;
nas cores dos instantes em que o verde sorria.


escrito por joão martinho | | comentar




segunda-feira, 6 de abril de 2009

ao vivo

há muito muito tempo, era ainda uma criança conheci o xavier. ele gostava de suede e eu de blur. ele dizia mal do damon albarn e que o brett anderson é que era - porque não quero confiar na memória, fico-me pelo "é que era" para evitar coisas como "o mais giraço", "o mais estiloso" ou "o gajo mais genial de sempre"; nenhuma das hipóteses andaria muito longe do que o xavier dizia, mas eu prefiro ficar-me pelo pós-moderno "é que era" para que ele não me venha malhar depois.

acabei por ceder e os suede tornaram-se rapidamente na minha banda preferida. tenho, aliás, a discografia completa deles - à excepção do singles e do head music -, enquanto dos blur não tenho um álbum original, sequer. redimi-me por ter oferecido um cd dos blur ao meu irmão, mas a verdade é que desde que os suede entraram na minha vida, os blur nunca mais tiveram grande espaço.

lembrei-me da descoberta dos suede ao ouvir o live do leonard cohen, a que voltarei num outro post. isto porque o xavier era verdadeiro fã e, antes do advento da "sacagem" de mp3, já usava a internet para comprar bootlegs dos concertos. lembro-me do entusiasmo dele a percorrer as páginas rudimentares na internet, lendo set lists e descrições dos bootlegs. lembro-me do entusiasmo que era ainda maior ao mostrar-me a mais recente aquisição.

talvez por inconsciente respeito, nunca mais ouvi nem bootlegs nem cd's ao vivo. na altura ouvia os bootlegs e sonhava com concertos dos suede, que pareciam nunca mais cá vir. vi-os duas vezes antes de terminarem. tenho ouvido leonard cohen e, entre recordações, tenho sonhado com o concerto de leonard cohen que ainda vou ver.


escrito por joão martinho | | comentar




sexta-feira, 3 de abril de 2009

friday night live #12

não podia ser de mais ninguém: na semana em que comprei o bilhete para leonard cohen, o friday night live é para o senhor cohen. a música é a lindíssima "dance me to the end of love" que abre o mais recente álbum, live in london.

de novo, a ti!




escrito por joão martinho | | comentar




quinta-feira, 2 de abril de 2009

da violência simbólica

a endoscopia digestiva alta é de um grau de violência bastante alto. haverá coisas piores - e não serão poucas -, mas eu dispensava facilmente essa obrigação em troca de outros sacrifícios como comer lulas fritas ao pequeno-almoço durante uma semana, andar de pé nos autocarro, comboio e metro durante um mês ou, até, ver um concerto do andré sardet. este último, como é óbvio, com anestesia.

hoje deveria ter feito a que, estimo, teria sido a sexta endoscopia da minha vida de doente do estômago. não é fácil a vida de doente do estômago e torna-se especialmente aborrecida quando se deixa de ser doente do estômago. ninguém parece acreditar que já estamos bons e, o que nós esperamos que seja a definitiva última vez, é para as outras pessoas um natural diagnóstico de rotina.

obviamente, nunca dou ouvidos às outras pessoas e preparo o exame com a convicção de que será a última vez que o faço - tinha dezoito anos quando o pensei pela primeira vez; preparava-me para fazer a segunda, na altura.

depois de me preparar para quarta-feira, reparei que tinha decorado mal a data. parecia mentira: não era no dia um de abril, mas sim no dia dois. respirei de alívio e ingeri todo o açúcar que consegui para o celebrar.

voltei a preparar-me para hoje, a data real do exame, e, ao chegar ao hospital, informam-me que ainda não será hoje. os enfermeiros estão em greve e, por isso, o meu exame - o meu último exame - será reagendado.

no caminho de regresso lembrava-me de bordieu e tive vontade de dar-lhe razão: habermas, às vezes a violência simbólica dói mais que a violência física. senti isso no meu estômago em dores de jejum; lembrei-me que as dores de garganta são, pelo menos, uma boa desculpa para comer gelados.


escrito por joão martinho | | comentar




quarta-feira, 1 de abril de 2009

oxalá fossem mentiras



escrito por joão martinho | | comentar




^