<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quinta-feira, 2 de abril de 2009

da violência simbólica

a endoscopia digestiva alta é de um grau de violência bastante alto. haverá coisas piores - e não serão poucas -, mas eu dispensava facilmente essa obrigação em troca de outros sacrifícios como comer lulas fritas ao pequeno-almoço durante uma semana, andar de pé nos autocarro, comboio e metro durante um mês ou, até, ver um concerto do andré sardet. este último, como é óbvio, com anestesia.

hoje deveria ter feito a que, estimo, teria sido a sexta endoscopia da minha vida de doente do estômago. não é fácil a vida de doente do estômago e torna-se especialmente aborrecida quando se deixa de ser doente do estômago. ninguém parece acreditar que já estamos bons e, o que nós esperamos que seja a definitiva última vez, é para as outras pessoas um natural diagnóstico de rotina.

obviamente, nunca dou ouvidos às outras pessoas e preparo o exame com a convicção de que será a última vez que o faço - tinha dezoito anos quando o pensei pela primeira vez; preparava-me para fazer a segunda, na altura.

depois de me preparar para quarta-feira, reparei que tinha decorado mal a data. parecia mentira: não era no dia um de abril, mas sim no dia dois. respirei de alívio e ingeri todo o açúcar que consegui para o celebrar.

voltei a preparar-me para hoje, a data real do exame, e, ao chegar ao hospital, informam-me que ainda não será hoje. os enfermeiros estão em greve e, por isso, o meu exame - o meu último exame - será reagendado.

no caminho de regresso lembrava-me de bordieu e tive vontade de dar-lhe razão: habermas, às vezes a violência simbólica dói mais que a violência física. senti isso no meu estômago em dores de jejum; lembrei-me que as dores de garganta são, pelo menos, uma boa desculpa para comer gelados.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | oxalá fossem mentiras » //-->





Post a comment :