<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












quarta-feira, 26 de agosto de 2009

elegia

conhecera aquela estória ao ler um livro antigo de lendas beirãs. o livro, roído de pó em ameaça de desfazer-se em cinza amarelecida, era ainda do tempo em que os "éfes" ainda não tinham sido inventados; do tempo em que as estórias eram história e que a história escrevia estórias.

não sei se de não acreditar nela, de a achar pouco verosímil, não me voltei a lembrar dela. hoje, porém, enquanto descansava entre as duas torres do castelo, senti-a entrar em mim como a lenda ameaçava.

a lenda é uma estória de amor à distância de trinta metros; ele na torre sul do castelo, ela na torre norte. nunca se tocaram e apaixonaram-se só de olhar um para o outro, talvez pela cumplicidade do mesmo destino: o de ficarem presos numa das torres do castelo. diz a lenda que primeiro se amaram com os olhos, depois com palavras tímidas, depois com gritos de desespero, depois com gestos.

não dormiam nas noites de lua cheia e subiam a uma ameia da torre, fingindo - ou treinando - um passo de amor mortal, quando ninguém os via. um dia, há hora em que o sol repousava equidistante de ambas as torres, decidiram saltar na tentativa de um abraço. não fosse assim, provavelmente morreriam ao longe, apesar de tão perto. foi assim e morreram juntos, apesar de o que sentiam do tamanho de uma vida inteira ter durado apenas alguns segundos.

diz a lenda que nenhum deles sangrou e que a única prova do que acontecera era a sombra do abraço; diz a lenda que tinham perdido todo o sangue nas feridas de estarem longe e a única coisa que lhes sobrava era a urgência de um amor a dois; dizia-me hoje um senhor que ainda se lembra de quando as sombras dos amantes se encontravam na mesma queda, em todos os aniversários daquele encontro; dia 26 de agosto.


escrito por by joão martinho Email post



Remember Me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.


« Home | como estás? » //-->





Post a comment :