<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4197132226586187837\x26blogName\x3dvad\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://voandoaderiva.blogspot.com/\x26vt\x3d-8192848790466781601', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
+












sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

"accept me as i am. only then can we discover each other."



escrito por joão martinho | | comentar




sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

fantastic mr. fox

tenho lido, repetida pela internet, a que seria uma das piores notícias cinematográficas deste novo ano: fantastic mr. fox, apesar de alguns sites indicarem que estreará no dia 28 de janeiro, não terá sido comprado por nenhuma distribuidora. a confirmar-se, ficamos culturalmente ainda mais pobres e perdemos a oportunidade para ver, como deve ser vista, outra grande obra de um dos melhores realizadores de sempre; pessoalmente, o meu favorito.

wes anderson estreia-se agora na animação, ainda que já tivesse recorrido a ela em algumas cenas de life aquatic with steve zissou. e, na era da pixar e da dreamworks, dos desenhos perfeitinhos em três dê e das piadas a martelo, ele decidiu fazer a animação à antiga e filmar fantastic mr. fox como se de um filme normal se tratasse. juntou-lhe ainda as vozes de george clooney, merryl streep, jason schwartzman, bill murray, willem dafoe, owen wilson e jarvis cocker, por exemplo.

é o meu filme de 2009 e eu gostava de dizer-vos mais coisas, mas as coisas que valem mesmo a pena são aquelas que nos roubam as palavras, que nos deixam a gaguejar de deslumbramento. por isso, e como é provável que não venha a estrear cá, saquem e depois comprem em dvd. e depois disso (ou antes), visitem também o site, joguem whackbat e espalhem a palavra.


escrito por joão martinho | | comentar




segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

lhasa

acordei hoje com a notícia da morte de uma das minhas intérpretes favoritas: lhasa de sela que, apesar de doente, escreveu e compôs um dos meus álbuns favoritos do ano passado. faleceu e contava apenas trinta e sete anos. it has snowed more than 40 hours in Montreal since lhasa's departure.

para a recordar, dela ficam algumas palavras e a memória da voz que as cantava.


y haz de tu adiós un "ay mi amor"
y de tu seña una sonrisita
y de tu fuga un "ya voy ya voy llegando"




escrito por joão martinho | | comentar




sábado, 2 de janeiro de 2010

abrazos rotos

não sou grande apreciador dos filmes do pedro almodóvar, pelo menos na óptica de um fã dos filmes do pedro almodóvar. enquanto estes preferem os primeiros filmes, eu prefiro os últimos. e, ainda assim, gosto só mais ou menos. e explico-me:

os filmes do pedro almodóvar são, à partida, garantia de uma fotografia belíssima e, ainda mais importante, de algumas das mais belas imagens alguma vez filmadas. e porque imagens bonitas não chegam para fazer um filme, almodóvar sabe encontrar também as ideias que as devem acompanhar.

e só isto já bastava para que qualquer filme dele merecesse ser visto, mas se recordamos ainda a companhia habitual de alberto iglesias na banda sonora e penélope cruz como protagonista, então, perdemos todas as desculpas para não ver um almodóvar. e eu, que gosto tanto de dizer que não aprecio almodóvar, calo-me, vejo e não consigo deixar de ver.

mas se há pormenores que deliciam. neste caso, por exemplo, o abraço do casal na fotografia da praia, a viagem em itália do rosselini na televisão coordenadas com as lágrimas da personagem da penélope cruz, o oito e meio de fellini na estante da personagem de lluís homar ou a lição de cinema sobre montagem e escolha de takes; a verdade é que os filmes de almodóvar vão tropeçando em diálogos e cenas embaraçosas que quebram a dinâmica e não o permitem fugir à mediania. e é uma pena, porque ideias assim não merecem tantas cenas insossas.


escrito por joão martinho | | comentar




^